ESPORTESNET

Com a maior delegação da história, 17 inscritos, país também tem melhor perspectiva de resultados desde a sua estreia, em 1988

Faltam poucos dias para a 46ª edição do Rally Dakar 2024, que larga na próxima sexta-feira (05), com uma disputa para definir posições de largada, e terminará quinze dias depois, em 19 de janeiro. Cercado de mitos, heroísmo e tragédias, o Dakar permanece no imaginário popular como o grande teste de pilotos e máquinas dispostos a enfrentar uma rotina de riscos elevados e imprevisibilidade.

É também uma das poucas competições mundiais que falta ao panteão de vitórias do Brasil neste esporte.

O país estreou no Dakar em 1988, quando Klever Kolberg e André Azevedo resolveram disputar a corrida, mesmo sem recursos, como pneus reservas para suas motos Yamaha.

O Brasil já conquistou títulos em categorias intermediárias da prova, o que não é pouco, mas nunca venceu na classificação geral na categoria principal, dos carros. O primeiro título veio com Kolberg, campeão da categoria Motos Maratona em 1993. O país chegou perto do título geral pela primeira vez em 2023, com Lucas Moraes, que surpreendeu o mundo do off-road ao chegar ao pódio já em sua estreia. Em 2024, no entanto, o time brasileiro chega com a melhor perspectiva da história de sua participação no Dakar – em uma edição que reunirá quase 800 competidores de 72 nacionalidades.

Realizado desde 2020 na Arábia Saudita, o Dakar cruzará de desertos inóspitos a pântanos. Mas as “estrelas” serão novamente as dunas do “Empty Quarter”, verdadeiras montanhas de até 300 metros de altura que dominam grandes trechos deste deserto, cujo sugestivo nome pode ser traduzido como “Território Abandonado”. AS distância total da prova é de 7.891 km, sendo 4,727 km de “especiais” – trechos cronometrados e válidos para definir o resultado da competição. Ao todo, serão 12 especiais. Uma delas, chamada “maratona”, contará 48 horas de duração, com os competidores tendo duas horas para reparo dos veículos.

Moraes (à direita) e seu novo navegador, o espanhol Armand Monleón
(TGR)

Com 778 inscritos, o Dakar 2024 será dividido em oito categorias principais: Motos, Quadriciclos, Carros, Challenger (UTVs protótipos, do tipo T3), SSV (UTVs de produção preparados, tipo T4), Caminhões, M1000 (protótipos) e Clássicos (veículos de época que já competiram na prova). O maior rally do mundo acontece sob regulamento do W2RC, o Campeonato Mundial de Rally Raid, que é organizado pela FIA e cujas provas são similares ao brasileiro Rally dos Sertões.

Uma “Seleção Brasileira* do off-road – Entre as principais novidades estão a ascensão de Lucas Moraes para o time A da atual campeã, a Toyota Gazoo Racing, colocando-se definitivamente entre os favoritos para as primeiras posições.

Moraes, cujo carro tem patrocínio da também SpeedMax, disputará a categoria mais veloz do Dakar, a T1+, na qual terá a companhia das experientes duplas brasileiras Marcos Baumgart/Kléber Cincea e Cristian Baumgart/Beco Andreotti, que retornam ao Dakar. Também com títulos do Sertões, que é referência no esporte, eles dessa vez estarão a bordo do competitivo modelo Prodrive Hunter, vencedor de nove das 14 especiais do Dakar 2023.

Também é destaque a estreia do campeão sul-americano de rally raid e bicampeão do Sertões Rodrigo Varela, filho do tricampeão mundial e campeão do Dakar na categoria UTV (2018), Reinaldo Varela.

Competindo na categoria dos UTVs de fábrica preparados (T4), Rodrigo contará com a navegação de Ênio Bozzano, que também detém um título no Sertões e vem investindo em uma carreira internacional.


O atual campeão da Copa do Mundo FIA de Rally Raid, Cristiano Batista, é uma das forças na categoria T4, em parceria com o navegador espanhol Fausto Mota. Campeã do Rally dos Sertões 2023 na categoria Carros, a dupla Marcelo Gastaldi e Cadu Sachs retorna ao Dakar para competir entre os UTVs fabricados especificamente para corridas (protótipos) da T3.

Já o navegador catarinense Gustavo Gugelmin reeditará a bem-sucedida parceria com o piloto norte-americano Austin Jones, com o qual faturou os títulos nas divisões T4 (2022) e T3 (2023) do Dakar. Um nome que merece atenção é o de Marcelo Medeiros, muito competitivo no Dakar 2023 na categoria Quadriciclos e cotado como um dos favoritos para 2024.

Completando a lista de nomes fortes, o navegador Lourival Roldan (campeão do Dakar 2017 na categoria UTV) terá como parceiro o piloto paraguaio Oscar Peralta.

À direita, o novo carro do brasileiro Lucas Moraes para o Dakar 2024
(TGR)

46ª Edição do Rally Dakar

7.891 km de percurso total. Especiais somam 4,727 km
(Data / locais / total do dia / especial)

  • 05/01, Prólogo – Al Ula – 28 km
  • 06/01, Etapa 01 – Al Ula –> Al Henakiyah – 405 km
  • 07/01, Etapa 02 – Al Henakiyah –> Al Duwadimi – 431 km
  • 08/01, Etapa 03 – Al Duwadimi –> Al Salamiya –447 km
  • 09/01, Etapa 04 – Al Salamiya –> Al-Hofuf – 425 km
  • 10/01, Etapa 05 – Al Hofuf –> Shubaytah – 375 km
  • 11-12/01, Etapa 06 – Shubaytah  –> Shubaytah (48 horas) – 466 km
  • 13/01 – Descanso
  • 14/01, Etapa 07 – Riyadh –> Al Dawadimi – 473 km
  • 15/01, Etapa 08 – Al Dawadimi –> Hail – 407 km
  • 16/01, Etapa 09 – Hail –> Al Ula – 439 km
  • 17/01, Etapa 10 – Al Ula –> Al Ula – 114 km
  • 18/01, Etapa 11 –Al Ula –> Yanbu – 275 km
  • 19/01, Etapa 12 – Yanbu –> Yanbu – 185 km

Competidores

  • 778 inscritos
  • 72 nacionalidades

Veículos e Categorias

  • Carros: 72 (5)*
  • Motos: 148
  • Quadriciclos: 10 (1)
  • Protótipos Leves: 66
  • UTVs (Challengers, T3): 42 (6)
  • UTVs (de produção, T4): 36 (5)
  • Caminhões: 46
  • Clássicos: 14
  • Total: 434 veículos
  • *Nota: entre parêntesis, quantidade de competidores brasileiros, que totalizam 17, a maior delegação brasileira no Rally Dakar

Brasileiros no Dakar 2023
Piloto / Navegador / Veículo

CATEGORIA CARROS T1+

  • Lucas Moraes (Brasil) / Armand Monleon (Espanha), GR Hilux DKR T1+
  • Marcos Baumgart (Brasil) / Kléber Cincea (Brasil), Prodrive Hunter T1+
  • Cristian Baumgart (Brasil) / Beco Andreotti (Brasil), Prodrive Hunter T1+

QUADRICICLO

  • Marcelo Medeiros (Brasil), Yamaha YFM 700 Raptor

UTV – PROTÓTIPO (T3)

  • Austin Jones (EUA) / Gustavo Gugelmin (Brasil), Can-Am Maverick XRS
  • Marcelo Gastaldi (Brasil) / Carlos Sachs (Brasil), UTV MCE-5
  • Gunter Hinkelmann (Brasil) / Fabrício Bianchini (Brasil), UTV MCE-5
  • Oscar Peralta (Paraguai) / Lourival Roldan (Brasil), Can-Am Maverick T3

UTVs DE PRODUÇÃO

  • Rodrigo Varela (Brasil) / Enio Bozzano (Brasil), Can-Am Maverick XRS
  • Jorge Wagenfuhr (Brasil) / Humberto Ribeiro (Brasil), Polaris RZR PRO R
  • Cristiano Batista (Brasil) / Fausto Mota (Espanha), Can-Am Maverick XRS

Deixe seu comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.