Futebol nacional é refém de instituições nefastas que não trazem, há décadas nenhum benefício ao esporte, somente mortes e histórias deprimentes

Precisamos falar deste terror que o futebol vive a décadas: as facções criminosas.

Estas entidades, em 90%dos casos são financiados por diretores de clubes ou pelos próprios clubes. Estas entidades não trazem lucro algum aos clubes, pois recebem ingressos de graça e só consomem seus próprios produtos, sem pagamento dos devidos direitos de imagens aos clubes.

Mas se disfarçam, tal como milícias ou grandes narcotraficantes, realizam trabalhos sociais, ajudando a comunidade para que assim tenham o cartão de visitas perfeito para obter vantagens.

Entendo que centenas de pessoas não compactuam com os atos destas entidades e ajudam a mantê-las em uma inocência apaixonada praticamente os cegando da realidade, por amor, por ter os pais, tios e amigos filiados a estas. E o amor é assim mesmo, cego.

Ele cega estas boas pessoas que como em uma religião, acham que tudo é um caso isolado, mas que casos isolados são estes, de mortes e violências constantes, de invasões, de ameaças, atentados terroristas, tudo isto disfarçados de “atos de amor ao clube”.

Que amor justifica apedrejar um trabalhador, no seu pleno exercício da profissão? Jogar um vaso sanitário e matar um pedestre? Travar guerras campais nas ruas pelo país só porque alguém torce para outra equipe?

Me recordo de nos anos 90 estar no Pacaembu, ainda adolescente, e assistir a barbárie da supercopa SP de futebol, onde há poucos metros de mim fiquei, acuado em uma grade, assistindo uma pessoa sendo brutalmente assassinada.

Tudo isto se justifica? Onde um trabalhador tem tempo para ir a um aeroporto em um dia útil para agredir, ameaçar alguém?

Como se justifica pessoas invadirem um clube para ameaçarem jogadores?

Não existe justificativa para a barbárie, não existe razão para ameaçar.

Onde estão os órgãos competentes que nada fazem? Porque os clubes mantém esta nociva relação que só trás prejuízos aos cofres, ao invés de valorizar o verdadeiro torcedor, que consome seu produto, que realmente ama o clube e não precisa se “esconder” em uma facção para torcer.

Estamos no século XXI, mas o futebol nacional, tal como a sociedade, esta no século XVI, onde a barbárie é mais importante que o diálogo, a razão e a ciência.

Sei que minhas palavras causam raiva em pessoas maravilhosas que acreditam em alguma utilidade destas moribundas entidades, mas contra os fatos, as mortes e a destruição constante não há argumentos, lamentavelmente, como gostaria que tudo que vi e vivi fosse mentira e um simples devaneio poético digno de um conto de terror adolescente onde tudo acaba com uma festa.

3 respostas

  1. Faço minhas as suas palavras. No início de tudo, torcidas organizadas eram para torcer, cantar, empunhar bandeiras coloridas e alegrar as arquibancadas. Com o tempo e conivência de diretorias e incentivada por muitas delas, estes grupos de arquibancada foram pouco a pouco sendo corrompidos, se marginalizando, tomando verdadeiramente de assalto tudo o que estava na sua frente.
    A TimeWeb Eventos, minimamente, também vem cobrando medidas REAIS da CBF e Ministério Público Federal. Chegou a hora de pararmos este câncer na nossa sociedade.

Deixe seu comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.