José Roberto Guimarães chega a sua quarta final de Olímpiadas com 100% em decisões e busca seu quarto ouro como treinador.

Alex Castro | Esporte

De começo, a seleção feminina de volei passou com facilidade pela semifinal diante da Coréia do Sul nessa sexta-feira (6). Assim, José Roberto Guimarães chegou a sua quarta final e tentará se isolar ainda mais como o maior medalhista de ouro da história do Brasil.

O início

Dessa forma, a primeira final do treinador foi em 1992, com a seleção masculina. Em Barcelona, com uma campanha irretocável, conquistou o primeiro ouro da história do voleibol brasileiro nos jogos. Além disso, subiu ao pódio perdendo somente 4 sets durante toda a competição.

Em seguida, ainda na equipe masculina não passou do quinto lugar em Atlanta 96. Sendo assim, voltou à seleção após alguns anos fora do comando. No entanto, dessa vez pela feminina.

A mudança

Iniciou nas Olimpíadas de Atenas, em 2004 e avançou até às semifinais. Porém, após estar ganhando por 2 x 0 amargou uma derrota para as russas por 3 x 2 e também não venceu Cuba na disputa pelo bronze.

Por outro lado, em 2008 na China, o técnico entrou mais uma vez para história do esporte olímpico. Pois, comandou o inédito título brasileiro no voleibol feminino. Assim, até hoje é o único treinador do mundo a vencer as Olímpiadas pelas duas seleções de voleibol.

Logo depois, em Londres o comandante alcançou mais uma final. E dessa vez, diferente das anteriores, as brasileiras chegaram extremamente desacreditadas. Isso porque o Brasil se classificou apenas na quarta colocação na primeira fase, com duas derrotas.

Entretanto, já nas quartas de finais a chave havia virado. Naquele que por muitos é um dos maiores jogos da modalidade na história, o Brasil venceu a Rússia de virada por 3 x 2. Na final, os Estados Unidos até tentaram tirar a eficiência do treinador em finais. Mas Zé Roberto mostrou mais uma vez ser o Rei das finais olímpicas. 3 x 1, e se tornando o primeiro e único tricampeão brasileiro.

No Rio, em 2016, viveu talvez uma das maiores tristeza na carreira. Assim, após campanha incrível na fase de grupo, sem perder um set sequer, a seleção foi surpreendida pelas chinesas nas quartas e não alcançou nem mesmo as semifinais.

Tóquio, a reviravolta

Entretanto, o maior campeão olímpico brasileiro demonstrou em Tóquio estar pronto para mais uma reviravolta em sua vida. Com isso, se classificou para a final de forma invicta, com quatro sets não vencidos.

Portanto, José Roberto Guimarães busca manter 100% de aproveitamento em decisões e seu quarto ouro em Olímpiadas. E suas comandadas encontram as estadunidenses pela frente. A final será no domingo, à 1h30 (horário de Brasília).

Imagem destaque: Divulgação/Time Brasil

Deixe seu comentário

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.