COI sugere a federações que não abram espaço para presença de atletas dos dois países nas próximas competições por conta da invasão à Ucrânia

O Comitê Olímpico Internacional divulgou um comunicado em que recomenda que atletas e oficiais russos e de Belarus não sejam convidados para competições. Diante da invasão à Ucrânia, o COI sugere às federações que os dois países não participem de qualquer competição durante o período.

Após reunião de seu comitê executivo, o COI também afirmou que, caso não haja tempo a retirada de atletas da Rússia e de Belarus das disputas, eles não deverão competir sob as bandeiras de seus países. Assim, de acordo com a orientação do COI, eles deverão competir apenas como atletas e seleções neutras.

“Onde quer que, em circunstâncias muito extremas, mesmo que isso não seja possível em curto prazo por razões organizacionais ou legais, o COI deixa para a organização relevante encontrar sua própria maneira de resolver efetivamente o dilema descrito acima. Nesse contexto, o COI EB considerou em particular os próximos Jogos Paralímpicos de Inverno de Pequim 2022 e reiterou seu total apoio ao Comitê Paralímpico Internacional (IPC) e aos Jogos.”

Além disso, o COI manteve a recomendação para que nenhum evento seja organizado na Rússia e em Belarus. O comitê voltou a citar o desrespeito à Trégua Olímpica na invasão à Ucrânia. Além disso, o COI retirou a Ordem Olímpica, maior prêmio da entidade, de Vladimir Putin, presidente da Rússia, e de outros dois membros do comitê olímpico russo.

O COI reforçou os pedidos de paz. No comunicado, também afirma que seguirá acompanhando o caso e que poderá revisar as recomendações no futuro.

Mais cedo, atletas ucranianos exigiram a suspensão dos comitês olímpicos e paralímpicos de Rússia e Belarus. Em carta aberta para Thomas Bach, presidente do Comitê Olímpico Internacional, e a Andrew Parsons, líder do Comitê Paralímpico Internacional, 40 signatários pedem a exclusão das entidades dos dois países por conta da invasão à Ucrânia.

A carta também conta com o apoio de atletas estrangeiros. Entre eles, a esgrimista russa Sofiya Velikaya, bicampeã olímpica e presidente da Comissão de Atletas da Rússia.

Ordem dourada

Assim como ocorrido com as federações de judô e taekwondo, as sanções chegaram a Vladimir Putin. A diretoria executiva do COI decidiu retirar a Ordem Olímpica dourada, maior condecoração do Movimento Olímpico, que havia sido concedida ao presidente da Rússia em 2001.

A medida foi estendida ao vice-primeiro ministro do país, Dmitry Chernyshenko, e a Dmitry Kozak, vice-chefe de Gabinete do Kremlin, ambos condecorados com a Ordem Olímpica dourada em 2014.

Além do banimento e da retirada das ordens olímpicas, o comunicado reitera veto a qualquer evento nos dois países, reforça total solidariedade com a comunidade olímpica ucraniana, afirmando que “estão em nossos corações e pensamentos”, e anuncia que o fundo de solidariedade aos atletas daquele país já foi estabelecido. Por fim, expressa agradecimentos aos comitês nacionais e federações internacionais que já estão dando apoio aos atletas ucranianos e familiares.

Deixe seu comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.