Futsal passou por um grande desenvolvimento no país

A seleção francesa será claramente a favorita no domingo (10h00, pelo horário de Brasília) no Cazaquistão em uma partida das Eliminatórias para a Copa do Mundo de 2022. Mas no futsal, a situação teria sido diferente porque os cazaques gradualmente se tornaram uma potência.

Graças aos investimentos privados e à chegada de jogadores vindos do Brasil, o futsal passou por um grande desenvolvimento no Cazaquistão. “É uma das nações de referência, está em sétimo lugar no mundo”, dezesseis lugares acima da França, e no futuro “poderá ser campeã europeia ou mundial”, avalia Pierre Jacky, técnico da seleção francesa de futsal.

Seu melhor clube, o Kairat Almaty, conquistou duas vezes a Liga dos Campeões e ganhou a Copa Intercontinental em 2014. Resultados impensáveis para times do Cazaquistão no futebol, onde o país ocupa apenas o 122º lugar no ranking da Fifa. Nas competições internacionais, a seleção cazaque ainda espera para brilhar. Em seu primeiro Mundial, na Guatemala em 2000, estreou com um massacre de 12 a 1 contra o então campeão, o Brasil, e terminou sem vitória.

Ermek Tursunov lembra a interferência política, especialmente do presidente da Federação de Futebol, Rakhat Aliev, então genro do chefe de estado, Nursultan Nazarbaiev. “Mudaram de comissão técnica, nos obrigaram a contar com alguns jogadores e deixar outros em casa. Fomos a um Mundial com um time que mal havia jogado junto”, conta à AFP o ex-jogador de 59 anos, que agora trabalha como cineasta. O reinado de Aliev na Federação terminou quando uma briga com seu sogro o levou a se exilar. Acusado de crimes pelas autoridades cazaques, se suicidou em 2015 na prisão austríaca onde aguardava a sua extradição.

– Caça Talentos – E acabou sendo o Brasil, o país que havia humilhado o Cazaquistão na Guatemala, quem permitiu que o país evoluísse no futsal. O treinador do Cazaquistão nesse esporte é Paulo Ricardo Kaká, brasileiro, assim como seu antecessor, Cacau. A seleção deste país da Ásia Central também conta com vários jogadores brasileiros naturalizados, incluindo alguns astros. Leo Higuita, conhecido por seu jogo com o pé e eleito três vezes goleiro do ano no Futsal Planet Awards, e o atacante Douglas Junior são acima de tudo “duas referências, dois grandes mestres do futsal”, diz Djamel Haroun, goleiro e capitão do seleção francesa de futsal.

Ambos chegaram ao Cazaquistão graças a Kairat Orazbekov, um rico empresário que fundou o AFC Kairat em Almaty, enviando regularmente olheiros à América do Sul para encontrar astros que pudessem reforçar seu projeto. “Cuidamos dos nossos talentos brasileiros aqui em Almaty. No Brasil ninguém os conhecia e agora todos os conhecem”, diz com orgulho à AFP. Sua integração e métodos de treinamento inovadores – Orazbekov insiste que foi o primeiro a fazer o goleiro jogar com os pés no futsal – impulsionaram “o crescimento muito forte” dos jogadores locais. “Apesar de terem usado as nacionalizações para chegar à linha de frente e ganhar títulos, eles permitiram que muitos cazaques elevassem o nível, se formarem no futsal”, admite Haroun.

Como resultado da evolução, o AFC Kairat se tornou um pesadelo para o FC Barcelona, derrotado em várias ocasiões pelos cazaques. A última vez foi em 2019, nas semifinais da Liga dos Campeões, na Arena Almaty diante de 12 mil espectadores.

O futuro parece muito promissor para o futsal no Cazaquistão, já que a maioria das escolas do país agora tem uma quadra para esse esporte, de acordo com Kairat Orazbekov. Uma situação que contrasta com o futebol, onde falta infraestrutura. “Se a Eslováquia tem 1.200 campos e a Bélgica três vezes mais, nós temos 50 no máximo. Não dá para lutar boxe sem um ringue e não dá para jogar futebol sem campos”, lamenta o empresário.

Deixe seu comentário

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.