Após o período de mais de dois anos sob as mudanças provocadas pela pandemia da COVID-19, incluindo o trabalho em home office e o distanciamento social, as empresas começam a retomar a rotina presencial, mesmo que em modelos híbridos de trabalho. A fim de encorajar e energizar as equipes, motivá-las, aumentar sua autoconfiança e ajudá-las a lidar com as dificuldades nesta retomada complicada após um grande período de turbulências, ganham destaque os programas de treinamento, que podem ser realizados de forma presencial ou online.

Estudos globais da (ICF) International Coaching Federation, realizados pela consultoria PwC e divulgados em 2020, revelaram que a indústria de coaching cresceu em meio a pandemia, de modo que movimentou US$ 2,8 bilhões em 2019, valor 21% superior ao identificado na pesquisa anterior, de 2016.

Em versão complementar da pesquisa, realizada em 2020 com 10 mil profissionais e clientes em 140 países, entre eles o Brasil, já sob os efeitos da pandemia, foi identificado que 49% dos profissionais de coaching viram sua renda cair, mas, motivados por desafios das lideranças e dos times diante do cenário incerto de negócios, 74% dos entrevistados revelaram crescimento nos atendimentos online, comprovando o interesse de executivos e empresas em aprimorar as mais diversas habilidades das pessoas e das equipes no período.

Em um momento contínuo de aprendizado surgido com a COVID-19 para o mercado de coaching, por conta dos cuidados necessários com a saúde mental das pessoas, o caminho escolhido vai muito além dos programas tradicionais, e passa pelo treinamento de alto impacto, que utiliza diversas técnicas para, entre outros objetivos, promover transformações nas pessoas, ajudá-las a enfrentar os problemas e adversidades, e também a melhorarem seu desempenho.

O master coach e treinador comportamental Jean Patrick, CEO e founder head coach do Instituto Jean Patrick, é um dos profissionais que atuam ministrando treinamentos, e observa que “o distanciamento social aprofundou dificuldades em diversos aspectos, tornando ainda mais relevantes os efeitos obtidos a partir dos treinamentos de alto impacto”.

“Sob o ponto de vista das empresas, elas passaram por períodos de retração em suas vendas, e passaram a buscar uma melhora no desempenho das equipes ou mesmo de seu protagonismo e engajamento, como forma não só de vender mais, mas de buscar novos caminhos em conjunto”, explica Jean Patrick.

Entre os colaboradores, se antes da pandemia alguns já enfrentavam dificuldades para se relacionar com os colegas, ou não conseguiam ser proativos ante os desafios, essas dificuldades se cristalizaram com o distanciamento social.

“Este, portanto, é o momento para estimular os colaboradores, através dos treinamentos, a mudarem a forma de pensar, de agir e reagir, ou seja, de romperem padrões comportamentais e crenças limitantes e sabotadoras, de provocá-los para que ampliem a visão sobre si mesmos, enxerguem suas fortalezas e fraquezas, aumentem sua autoconfiança e autoestima e, consequentemente, tenham mais segurança e protagonismo”, observa Jean Patrick.

“Este trabalho se refle no maior protagonismo profissional, na melhor tomada de decisões e das escolhas realizadas; bem como na melhor gestão do tempo e para se alcançar um equilíbrio maior entre a vida pessoal e no trabalho.”

Mas em que consiste um treinamento de alto impacto? As atividades podem incluir, por exemplo, desafios com movimentos corporais, a fim de estimular a confiança, a segurança e as atitudes de coragem, ou ainda caminhar sobre brasas, o que lhes fará se sentirem mais fortes para lidar com qualquer obstáculo.

“A ideia principal é a pessoa buscar os recursos interiores que a ajudarão a realizar as mudanças. No treinamento, provocamos muitas reflexões sobre a vida da pessoa e sobre o que elas podem fazer para mudar”, conta o master coach e treinador comportamental. “O fato de realizar e vivenciar na prática determinadas situações potencializa demais o aprendizado e a mudança”, ressalta.

Segundo Jean Patrick, os treinamentos estimulam o envolvimento individual em todos os aspectos – físico, mental e emocional, no qual a pessoa absorve conhecimentos mais rapidamente e está propensa a mudanças instantâneas, diferentemente do universo do powerpoint.

“Cada treinamento é desenvolvido considerando os objetivos da empresa, o perfil da equipe – ou também das lideranças, em programas específicos para os executivos do primeiro escalão – e os principais desafios a serem superados”, explica Jean Patrick. Segundo ele, no geral, os resultados são surpreendentes e são capazes de transformar tanto a vida profissional quanto pessoal dos participantes.