ESPORTESNET

A Federação Nacional das Associações de Celíacos no Brasil (FENACELBRA) apontou que cerca de 2 milhões de brasileiros têm a doença celíaca, sendo que a grande maioria, em torno de 80%, ainda não têm o diagnóstico conhecido. A prevalência nos países ocidentais é de cerca de 1% da população geral, mas está aumentando significativamente em outras partes do mundo.

Diante deste cenário, com o objetivo de conscientizar a população sobre o impacto desta patologia, foi criada a campanha Maio Verde, tendo em vista que a condição quando não diagnosticada precocemente e/ou tratada adequadamente pode causar desde de sintomas gastrointestinais, como dor abdominal, distensão e alteração do hábito intestinal, a manifestações extra-intestinais, como perda de peso, anemia, deficiências nutricionais, osteopenia, osteoporose, transtornos de humor, como ansiedade e depressão, enxaqueca, problemas neurológicos, como ataxia e epilepsia, infertilidade e irregularidade menstrual, além de lesões na pele (dermatite herpetiforme) e câncer de intestino.

A doença celíaca, que possui predisposição genética, é uma doença imunomediada contra o glúten – proteína presente no trigo, centeio e cevada. A condição é autoimune, ou seja, as células de defesa imunológica do corpo humano agridem as células do próprio organismo frente a presença do glúten, causando, na sequência, um processo inflamatório no intestino delgado, que, com o passar do tempo, leva a atrofia das vilosidades intestinais – estruturas responsáveis por otimizar o processo de absorção dos nutrientes.

Segundo o gastroenterologista e diretor de comunicação da Federação Brasileira de Gastroenterologia (FBG), Dr. Áureo Delgado, a patologia é comum em todo o mundo e a sua prevalência aumentou significativamente nos últimos 20 anos: “A doença celíaca ainda representa um iceberg estatístico com muito mais casos não diagnosticados do que diagnosticados, mas graças às melhores ferramentas diagnósticas e a avaliação direcionada dos pacientes que são considerados de alto risco para a condição, novos casos foram descobertos, de forma que possamos controlar os sintomas e, assim, dar ao paciente uma melhor qualidade de vida,” destaca o médico.

No geral, os primeiros sintomas podem surgir na infância e a criança pode apresentar dor abdominal, náuseas, vômitos, diarreia, perda de peso e desnutrição. No entanto, isso não é regra. A patologia pode afetar também todas as faixas etárias e algumas pessoas podem desencadear a doença na vida adulta, inclusive, na melhor idade. Nesta fase, o paciente pode apresentar apenas as manifestações extra-intestinais, conforme citado anteriormente, como também dor abdominal, flatulência, vômitos, alteração do hábito evacuatório e sintomas de refluxo.

De acordo com o Dr. Áureo, atualmente cerca de 70% dos novos pacientes são diagnosticados acima dos 20 anos de idade e o risco para desenvolver a doença celíaca é maior em parentes de primeiro grau (até 10%), pessoas com diabetes tipo 1 e outras doenças autoimunes, Síndrome de Down e demais patologias associadas. Além disso, manifestações clinicamente severas podem ocorrer durante a gravidez ou durante o puerpério, em até 17% das pacientes.

Muitos pacientes são assintomáticos e são diagnosticados apenas durante uma triagem médica, por isso, a importância de uma anamnese minuciosa. O diagnóstico envolve uma série de testes, incluindo a dosagem de anticorpos no sangue, biópsia do intestino através da endoscopia, e, em alguns casos, teste genético.

Embora a doença não tenha cura, o gastroenterologista alerta: ” É importante que as pessoas com a doença celíaca mantenham um estilo de vida saudável, o que engloba uma alimentação equilibrada isenta de glúten e a prática de atividade física, além de uma boa relação médico-paciente para que, juntos, possamos obter um tratamento de excelência.”

Alimentação: dieta sem glúten para os celíacos
Ainda que seja muito difícil para os celíacos conviverem com a retirada do glúten em consequência da doença, é fundamental que os pacientes sigam as instruções do médico gastroenterologista e do nutricionista, tendo em vista que a exclusão do glúten deverá ser feita rigorosamente: “Percebo que o grande dilema para as pessoas que são acometidas por esta condição é no momento do diagnóstico e, na sequência, imaginar como será uma dieta isenta de glúten. Mas, esta medida é totalmente necessária para que tenham uma vida mais saudável e evitem, futuramente, problemas de saúde mais complexos, como o câncer no sistema digestivo,” afirma Dr. Áureo.

Ainda segundo o gastroenterologista, após a introdução da dieta sem glúten, o controle deverá incluir testes de anticorpos específicos e endoscopia digestiva alta com biópsia em periodicidade a depender da resposta do paciente a dieta sem glúten: “A exclusão total do glúten é, ainda, o único tratamento recomendado para tratar a doença celíaca. No entanto, a condição caminha para uma nova era e há pesquisas sendo realizadas neste sentido, mas que ainda estão em fase de testes,” relata o médico.

É primordial que o paciente seja sempre acompanhado por um nutricionista para boa adesão à dieta sem glúten e livre de contaminação cruzada.

Vida sem glúten – A Federação Brasileira de Gastroenterologia está engajada nesta causa
A campanha visa promover também o impacto econômico da doença celíaca (custos das complicações, absenteísmo, etc), trabalhar a importância de políticas públicas voltadas para a inclusão alimentar (como em outros países, por exemplo, na Argentina) e exigir rotulagem correta e fiscalização dos produtos. A Federação Brasileira de Gastroenterologia (FBG) desenvolverá, ao longo deste mês, várias ações presenciais, por meio de suas associações estaduais.

Para fortalecer ainda mais o movimento, a Federação disponibiliza em suas redes sociais conteúdos informativos sobre a doença, diagnóstico, tratamento e demais temas relacionados à patologia. Ainda com foco no Maio Verde, a FBG criou também um site exclusivo para a campanha, cuja finalidade é alertar o cidadão sobre este assunto, que, ainda, é pouco divulgado e tratado nos veículos de comunicação do país.

Este texto não substitui uma consulta médica. Em caso de dúvidas, um gastroenterologista deve ser consultado.