O Senado aprovou em 15 de fevereiro o PL (Projeto de Lei) 4.412/2021 que institui a Semana Nacional da Empresa Júnior. A matéria segue para a análise da Câmara dos Deputados e, se aprovada, a data passará a ser celebrada na semana do dia 6 de abril.  Uma empresa júnior é uma associação civil, sem fins lucrativos e com fins educacionais, formada exclusivamente por alunos do ensino superior ou técnico.

O projeto, do senador Jayme Campos (DEM-MT), tem como objetivo “fortalecer a educação empreendedora, fomentar o empreendedorismo jovem por meio de palestras, debates, seminários e outros eventos, disseminando a cultura da ‘empresa júnior’”, conforme informações divulgadas pela Agência Senado.

Para Suany Santos do Nascimento, CEO da Já Calculei, plataforma de contabilidade on-line, a Semana Nacional da Empresa Júnior pode destacar a data no calendário nacional e nortear a implementação de estratégias de estímulo ao desenvolvimento de novos negócios de diversos portes e setores. 

“O empreendedorismo faz parte do DNA dos brasileiros. Entretanto, para além da vocação empreendedora, é necessário atenção a uma série de fatores, pois muitos iniciantes têm dificuldades de gestão ou abertura de firma. Neste sentido, o auxílio de uma contabilidade pode facilitar o processo de abertura de empresa”, afirma.

Abertura de empresa é entrave para empreendedores

De acordo com Nascimento, empreendedores que buscam criar CNPJ cometem erros recorrentes no processo de abertura de uma empresa. “A formalização do seu negócio requer uma série de providências, que devem ser tomadas a fim de garantir o alvará em mãos e a regularização necessária”.

Em linhas gerais, prossegue, o primeiro passo para abrir uma empresa, após a definição do nome e de seu modelo de negócios, é escolher o gênero do negócio, que pode ser MEI (Microempreendedor Individual), ME (Microempresa), EPP (Empresas de Pequeno Porte), e empresa de Médio ou Grande porte. “ME são negócios que possuem faturamento anual de até R$ 360 mil reais, enquanto as EPP devem faturar, também anualmente, entre R$ 360 mil reais e R$ 3.6 milhões”.

Além disso, segundo a empresária, é necessário definir o regime jurídico da empresa, escolher as atividades para exercer, de acordo com as CNAEs (Classificação Nacional de Atividades Econômicas). “O empreendedor também deve definir o seu regime tributário, que pode ser Simples Nacional, Lucro Presumido ou Lucro Real, sem se esquecer da elaboração de um Contrato Social, que deve incluir os sócios e reunir os documentos necessários para fazer o registro na Junta Comercial”.

A CEO da Já Calculei destaca que, em determinados casos, o processo de abertura de uma empresa também pode exigir o alvará de localização e funcionamento. “O empreendedor deve fazer a Inscrição Estadual e ter em mente que há diversos trâmites necessários junto à Prefeitura de sua cidade”. 

Neste ínterim, conclui Nascimento, os processos de abertura de empresa podem configurar um entrave para os iniciantes. Por isso, contar com uma contabilidade on-line pode ser um fator decisivo para o sucesso de um novo negócio. “A boa notícia é que a tecnologia simplificou processos. Hoje, com o auxílio de um contador remoto, o cliente pode abrir uma empresa sem precisar sair de casa, tudo pode ser feito de forma digital”.

Para mais informações, basta acessar: https://www.jacalculei.com.br/