ESPORTESNET

Relatório do Observatório da Discriminação Racial no Futebol, realizado em parceria com a CBF e a Nike, revela dados alarmantes sobre discriminação racial, religiosa, orientação sexual e origem

Uma iniciativa inédita sobre diversidade, idealizada pelo Observatório da Discriminação Racial no Futebol, em parceria com a Confederação Brasileira de Futebol (CBF) e a Nike, traz à tona os resultados de um levantamento que contou com a participação de 508 profissionais do futebol brasileiro e abordou questões relacionadas a raça, religião, orientação sexual e origem. O documento, pioneiro em seu escopo, apresenta reflexões em torno de dados coletados entre julho e agosto, com atletas, comissão técnica, staff dos clubes e arbitragem – atuantes nas Séries A e B do Campeonato Brasileiro masculino, além das Séries A1 e A2 do feminino na temporada 2023.

“O levantamento em parceria com o Observatório da Discriminação Racial e a Nike é um retrato, um recorte importante sobre os efeitos nocivos do racismo. O combate diário e incansável a esse crime é uma das principais bandeiras da minha gestão. E com esse diagnóstico vamos trabalhar ainda mais para banir estas e outras práticas discriminatórias do futebol, seja dentro ou fora dos campos. Não podemos tolerar o racismo, o medo e a discriminação. Que cada vitória no combate a esse, que é um mal global, possa reverberar não só na cadeia do futebol brasileiro, mas em toda a sociedade. A CBF já adotou práticas que respeitam a igualdade, inclusão e transparência em todas ações internas e externas da entidade. Fizemos o I Seminário de Combate ao Racismo e à Violência no Futebol, em setembro do ano passado, e, em breve , teremos a segunda edição. Também fomos pioneiros na inclusão de penas desportivas, que vão de perda de mando de campo, portões fechados até perda de pontos para o clube, para os casos de racismo. Hoje, somos referência mundial nesse tema. Cada passo deve ser trilhado rumo a novas conquistas para o fim do racismo”, afirmou o presidente da CBF, Ednaldo Rodrigues.

Preconceito racial e intolerância para religiões de matriz africana: um chamado à mudança

Em um país onde 56% da população é negra, chama a atenção que 41% dos profissionais do futebol pertencentes a essa raça tenham sofrido racismo ao exercerem suas atividades. Os números de ataques oriundos de torcidas em estádios (53,9%) e redes sociais (31%) mostram que é urgente campanhas educativas e mais rigor nas punições. Ao mesmo tempo, 11,4% dos participantes afirmaram ter sofrido casos dentro de centros de treinamentos e concentrações, o que evidencia que o problema está longe de se restringir às ocasiões mostradas pelas telas que cobrem os jogos de futebol.Aproximadamente 4,23% dos entrevistados declararam não ter religião específica, enquanto 5,08% se identificaram com candomblé e umbanda. O levantamento então destacou uma estatística preocupante: apenas 2,75% dos praticantes dessas religiões de origem de matriz africana sentem que suas crenças são respeitadas no contexto do futebol.”A fotografia dos times de futebol no Brasil nos apontava para um espaço democrático e com a grande presença de atletas negros. No entanto, o percentual de atletas era uma questão que o Observatório sempre quis saber, e esse levantamento foi a oportunidade para conhecermos esses dados. Além disso, o atual estágio da luta contra a discriminação racial nos indica que precisamos saber onde estão os negros e que cargos ocupam para além das quatro linhas, afinal na luta contra o racismo precisamos promover a diversidade e a inclusão. Além disso, nós precisamos expandir nosso olhar para todos os atos discriminatórios e foi justamente isso que buscamos com esse primeiro passo. Os dados desse levantamento certificam nossa desconfiança de que o futebol brasileiro está longe de ser um local democrático e com respeito às diferenças”, comentou Marcelo Carvalho, diretor executivo do Observatório da Discriminação Racial no Futebol.

Pontos de atenção: orientação sexual entre os homens e melhor compreensão sobre xenofobia

Os resultados também destacam os desafios enfrentados pela comunidade LGBTQIAP+ no futebol. Apenas 1% dos homens entrevistados se declararam homossexuais ou bissexuais, contrastando fortemente com as estimativas nacionais e internacionais que sugerem uma representação de 8,5% na população brasileira. Esse dado revela a importância de avaliar o impacto do medo de represálias, como achincalhamento público, perda de contratos e falta de oportunidades, sobre a autenticidade das respostas. Neste sentido, o levantamento mostra que 61% dos casos de homofobia relatados são diretamente cometidos pela torcida – sendo 36% pela adversária e 25% da torcida do próprio time.O relatório identificou que 21,06% dos participantes relataram ter sofrido xenofobia, no entanto, apenas 3% decidiram denunciar tal comportamento. Muitos dos casos não foram reportados devido à falta de compreensão de que a xenofobia é um crime, conforme estabelecido pela Lei 9.459 de 1997, que altera os artigos 1º e 20 da Lei 7.716/89, sobre os crimes resultantes de preconceito de raça ou cor.

Inclusão de mulheres no futebol para além dos campos

Considerando o número total de participantes, 28% são mulheres. Desse número, 57% são atletas e 35% ocupam cargos como técnicas, assistentes, dirigentes, assessoria e equipe médica, também do futebol feminino. Apenas 8% delas atuam no futebol masculino, sobretudo nas áreas de comunicação e saúde. Em contrapartida, 18% dos homens trabalham nas divisões do Brasileirão Feminino em cargos diversos. Essa proporção deixa claro que quase metade – exatamente 45% – das pessoas que atuam nas Séries A1 e A2 do campeonato feminino são homens. Este recorte evidencia a urgência de esforços para qualificar e incentivar a abertura de espaço para mulheres em cargos de liderança e direção, tanto em competições masculinas quanto femininas. 

Compromisso com a Mudança

Os resultados do primeiro Levantamento da Diversidade do Futebol são um chamado à ação. O futebol, como um dos maiores símbolos culturais do Brasil, tem o poder de conscientizar e promover a inclusão. 

“O resultado deste levantamento é um alerta importante para todos nós. Ele reflete a necessidade de não apenas reconhecer a existência de preconceitos e discriminação no futebol, mas também de tomar medidas decisivas para erradicá-los. A Nike acredita que o esporte é um catalisador poderoso de mudança social e está comprometida em colaborar para que todos possam participar e prosperar no mundo do esporte, independentemente de sua raça, gênero, orientação sexual, origem ou religião “, destacou Bruno Teixeira, Gerente Sênior de Propósito da Fisia, Distribuidora Oficial da Nike do Brasil.

Enquanto a colaboração entre o Observatório da Discriminação Racial no Futebol, a CBF e a Nike, na condução desta iniciativa, é um passo importante para aumentar a conscientização, ela também aponta um caminho: a solução se faz com a maior inserção e atuação dos entes esportivos, organizações da sociedade civil e empresas, entre outros atores, no combate às diferentes formas de discriminação.

Deixe seu comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.