Não existe hierarquia no futebol brasileiro

Não existe hierarquia no futebol brasileiro

02/10/2019 0 Por Gustavo Neri

Declarações de alguns atletas e treinadores da Série A mostram falta de hierarquia nos clubes nacionais

O Campeonato Brasileiro está na 22º rodada com o alarmante número de 18 treinadores que deixaram seus cargos, o último foi Enderson Moreira que pediu demissão do Ceará. Uma preocupante média de quase um treinador a cada rodada no futebol brasileiro.

Na penúltima rodada houve algo raro no país, em menos de 24 horas foram confirmadas quatro saídas de treinadores de Série A. Sendo apenas a terceira vez na era dos pontos corridos (desde 2003) que isso acontece em um período tão curto.

O que mais assusta é o motivo pelo qual os treinadores estão sendo mandados embora, o descontentamento de jogadores com os respectivos comandantes.

Na expressão popular o que está acontecendo no futebol brasileiro é, ‘o poste está urinando no cachorro’.

Na 21º rodada do Brasileirão, Paulo Henrique Ganso não só reclamou das mudanças do Oswaldo de Oliveira, como desferiu ofensas ao treinador e quase chegou às vias de fato, quando foi acalmado por seus companheiros.

Já Rogério Ceni Foi questionado por Thiago Neves sobre as escalações e até mesmo cobrado pelo zagueiro Dedé, por mais comprometimento dele e dos atletas.

Após o jogo, Ceni deixou o estádio antes da delegação, com um clima insustentável. Parte da imprensa afirmou que “90% dos jogadores” não concordavam com a manutenção do técnico, Ceni foi demitido sem completar dez jogos à frente da Raposa.

No São Paulo não foi diferente, descontente com as escalações e postura do técnico Cuca, Daniel Alves deu declarações reclamando do então comandante e mesmo após a demissão do técnico Curitibano, Daniel Alves seguiu pautando a comissão técnica no tricolor paulista.

Vagner Mancini, ex coordenador técnico do clube, foi o escolhido pela diretoria para o cargo deixado por Cuca, mas o capitão da seleção brasileira não aprovou, segundo áudio vazado de Mancini, pedindo Fernando Diniz para o cargo e sendo atendido pela diretoria.

Com novo comandante, o Cruzeiro não se distância das polêmicas. Abel Braga em seu primeiro jogo à frente do Cruzeiro reclamou do processo de ‘fritura’ sofrido pelos treinadores no país.

“Vida de treinador tá fo…
“Jogador agora xinga treinador.
“E treinador vai embora e o jogador continua.
“Estamos fu…”

Abel fez questão de enfatizar a situação próximo às câmeras, em cumprimento a Ney Franco, antes do duelo contra o Goiás.

O futebol brasileiro está deixando de ser profissional a cada dia que passa, isso porque não há organização da maioria dos dirigentes de clubes brasileiros e principalmente dos gestores da CBF.

Só teremos um futebol sério e competitivo novamente quando houver trabalhos administrativos decentes e os cargos devidamente respeitados. Jogador é subordinado ao treinador e assim sempre será.