A+ R A-

Jogador do Brusque na Rádio ESPORTESNET

  

      Nesta quinta-feira (25/04) o programa Esporte Mania estará com um convidado super especial, o goleiro Zé Carlos, que agora ira defender o Brusque, de Santa Catarina, no Campeonato Brasileiro da Série D. O atleta que se destacou pelo Santo André, Tubarão, Concórdia, agora tem a missão de levar o Brusque a Série C nacional.

    O programa Esporte Mania, transmitido de Taboão da Serra para todo o planeta começa as 20h30 com a apresentação de Fernando Alves Firmino.

Ouça em radioESPORTESNET.com.br

 

Ze Carlos Goleiro futebol Brusque Radio ESPORTESNET Taboão da Serra 25 abril 2019

 

Esporte Mania Radio ESPORTESNET Taboao da Serra Fernando Alves Firmino Abril 2019

 

 

 

Stock Car: 40 anos apaixonantes

     A Stock Car é o símbolo da paixão do brasileiro por automobilismo. Nascido la nos anos 70, mais precisamente no dia 22 de abril de 1979, na também emblemática pista de Tarumã, na Grande Porto Alegre, um grupo que reunia alguns dos maiores jovens talentos da época colocou pela primeira vez os Opalas da Stock para medir forças. Era a corrida inaugural da história daquela que hoje – e já há algumas décadas – é o principal campeonato do automobilismo brasileiro, um dos poucos torneios fora do eixo Europa-EUA-Japão capaz de atrair a atenção de fãs e profissionais do esporte em várias partes do mundo.

     De lá para cá, a Stock Car realizou 500 corridas, consagrou dezenas de jovens talentos, empregou milhares de pessoas, atraiu vários pilotos da Fórmula 1, foi ousada o suficiente para fazer uma prova na Europa e hoje é encarada como ideal de vida de uma geração inteira de pilotos brasileiros – tanto pelos bons salários quanto pela qualidade das corridas, do desafio e da visibilidade proporcionada.

     Maior evento esportivo dos finais de semana nas cidades onde realiza suas etapas, o que inclui várias das principais capitais do Brasil, a Stock Car saúda o próprio passado, mas também aprendeu a cultivar o futuro. “É o que mostra a criação e gestão da Stock Light, categoria de acesso iniciada em 1993”, diz Carlos Col, CEO da Vicar, promotora da Stock. “A Light revelou diversos talentos que vieram a se consolidar como profissionais na categoria superior e atualmente congrega o melhor das novas gerações do automobilismo nacional”, completa.

     O maior investimento no projeto de presença digital em 2019 e a racionalização do evento, que ainda está em curso, além da forte preocupação em oferecer entretenimento durante todo o período em que o público está no autódromo, mostram convergência com uma visão moderna do esporte que se impõe em nível mundial. “A Stock hoje vive o mesmo processo que está transformando paulatinamente as principais categorias, casos da F-1, Nascar e F-E, e também outras modalidades esportivas, como a NBA e campeonatos de futebol”, observa Carlos Col.

     Consagração – A história da Stock Car é ponteada por vários dos maiores momentos do esporte a motor brasileiro. É o caso da consagração de Ingo Hoffmann como maior ídolo da categoria, com nada menos que 12 títulos e um exemplo de vida para os jovens aspirantes e fãs. Também se destacam as “eras” dominadas por Paulo Gomes, um talento obcecado pela vitória, e Chico Serra, dono de um estilo sóbrio e eficiente que agora é emulado por seu filho, Daniel, bicampeão e líder da atual geração. Paulão e Chico tiveram um seguidor à altura em Cacá Bueno, dono de cinco títulos e maior campeão ainda em atividade.

      A fase romântica dos Opalas, com momentos que mesclaram heroísmo e temeridade, registraram o surgimento e a consolidação dos primeiros ídolos. “Já no período multimarcas, o profissionalismo atingiu níveis de padrão internacional e a categoria se firmou como o evento automobilístico mais bem sucedido do continente”, registra o dirigente da Stock Car. Nessa época, pelo alto nível de competitividade, a categoria foi apontada como uma das cinco maiores do tipo turismo do mundo.

     Estas fases levaram a Stock a atingir o estágio atual, com um nível técnico que surpreende as estrelas estrangeiras que vêm ao país para a “Corrida de Duplas” ou para tentar o prêmio máximo na “Corrida do Milhão” – dois marcos do esporte a motor brasileiro criados pela Stock Car. Nesse contexto, um movimento de renovação pressiona as atuais estrelas da categoria com a chegada de talentos ambiciosos, casos do jovem e já campeão Felipe Fraga (23 anos) e do grupo de aspirantes que hoje compõe 30% do grid. “Um ponto importante é o alto nível das equipes, compostas por excelentes engenheiros e técnicos. Elas completam a configuração extremamente competitiva da Stock Car moderna”, resume Carlos Col.

     40 anos em dez modelos – Toda essa história foi construída ao redor de grandes pilotos e, logicamente, dos carros que protagonizaram as 500 corridas da Stock Car. Ao todo foram dez modelos diferentes, muitos com versões e adaptações que os tornaram ícones em suas épocas. O grande nome dessa saga é logicamente o Opala, veículo que deu início à categoria e permaneceu como carro-base durante 15 temporadas. Ainda hoje o modelo da Chevrolet congrega milhares de fãs em clubes de colecionadores e admiradores individuais em todo o país.

     Em 2000, depois de seis anos com o então moderno Omega, a Stock iniciou a era dos chassis tubulares específicos de competição. O engenheiro argentino Edgardo Fernandez assinou o primeiro projeto, que até 2003 utilizou carroceria inspirada no Vectra. A fase multimarcas estreou em 2005, quando o Chevrolet Astra passou a dividir o grid com o Mitsubishi Lancer. Em 2007, a Stock contava quatro modelos na pista: Astra, Lancer, VW Bora e Peugeot 307 Sedan. A partir de 2017, o campeonato voltou a ser monomarca, utilizando apenas o Chevrolet Cruze.

     Futuro – O projeto 2020 propõe a volta ao cenário multimarcas e trará novidades técnicas que irão radicalizar o esforço necessário para vencer corridas. “Desde já se coloca no horizonte das equipes um futuro próximo de grandes desafios e novos marcos para o esporte no Brasil”, resume o CEO da Vicar.

 

DEZ FERAS NA PISTA

Modelo, anos de participação, temporadas disputadas

1. Chevrolet Opala, 1979 a 1993, 15 temporadas(1)

2. Chevrolet Omega, 1994 a 1999, 6 temporadas

3. Chevrolet Vectra, 2000 a 2003; e 2009 a 2011, 7 temporadas

4. Chevrolet Astra, 2004 a 2008, 5 temporadas

5. Mitsubishi Lancer, 2005 a 2008, 4 temporadas

6. Volkswagen Bora, 2006 e 2007, 2 temporadas

7. Peugeot 307 Sedan, 2007 a 2010, 4 temporadas

8. Peugeot 408 Sedan, 2011 a 2016, 6 temporadas

9. Chevrolet Sonic, 2012 a 2015, 5 temporadas

10. Chevrolet Cruze, 2016 a 2019, 4 temporadas

(1) De 1987 a 1989, na versão Chevrolet Opala Caio-Hidroplas. De 1990 a 1993, versão

Chevrolet Opala Protótipo.

 

MAIORES VENCEDORES DA STOCK CAR

Após 500 GPs, Ingo, Paulão, Cacá e Chico encabeçam a lista de vitórias

1. Ingo Hoffmann, 77

2. Paulo Gomes, 40

3. Cacá Bueno, 37 (1)

4. Chico Serra, 33

5. Thiago Camilo 23 (1)

6. Xandy Negrão, 21

7. Daniel Serra, 19 (1)

8. Ricardo Maurício, 17 (1)

9. Felipe Fraga, 15 (1)

10. Adalberto Jardim, 14

10. Alencar Jr., 14

10. Ângelo Giombelli, 14

10. Átila Abreu, 14 (1)

10. Fábio Sotto Mayor, 14

15. Marcos Gomes, 13

16. Max Wilson, 11 (1)

17. Zeca Giaffone, 10

18. Rubens Barrichello, 9 (1)

19. Affonso Giaffone Jr., 8

19. Allam Khodair, 8 (1)

19. Giuliano Losacco, 8

19. Valdeno Brito, 8 (1)

(1) Pilotos ainda em atividade.

 

Stock Car 2018 Duda Bairros ESPORTESNET 001

 

Taboanenses conquistam medalha de ouro no Arnold Classic South American

Por Ricardo Lima

     O sifu Fábio Lachi, professor de Kung Fu estilo Garra de Águia Lily Lay da Secretaria de Esportes e Lazer de Taboão da Serra, juntamente com seu aluno o sifu André Neri, conquistaram medalha de ouro na categoria Toy Tcha de armas avançadas, no Arnold Classic South American, realizado no Espaço das Américas, em São Paulo, no último domingo, 14 de abril.

     O torneio contou com a participação de aproximadamente 12 mil atletas de 40 modalidades, de criança a adulto, masculino e feminino. Mais de 83  mil visitantes passaram durante os três dias de evento. Além de ver de perto o astro Arnold Schwarzenegger, os participantes puderam acompanhar competições de outras modalidades que não envolvem força ou arremesso de peso, como basquete 3x3, BMX, rugby, xadrez, cubo mágico e pular corda.

     O secretário de Esportes, Fábio Fernandes, parabenizou os atletas pelo desempenho na competição. “Cada vez mais o esporte de Taboão da Serra está alcançando projeção internacional. Isto nos alegra e faz ter certeza que precisamos continuar investindo nesta área. Parabéns ao Sifu Fábio Lachi e ao Sifu André Neri pelo desempenho excepcional na Arnold South American e por projetar o nome de Taboão da Serra para o mundo.”

     Segundo o coordenador de lutas da secretaria de Esportes e Lazer, Manoel Carlos, a conquista se deve aos treinamentos pesados e a disciplina dos atletas. “O sifu Fábio, além de ser um excelente profissional, também é muito ético e sempre respeita a hierarquia, que é uma das principais características das artes marciais. Essa medalha representa muito para a cidade”, disse.

     As aulas de Kung Fu com o sifu Fábio Lachi no ginásio “Zé do Feijão”, acontecem no período da tarde de segunda, quarta e sexta, das 13h às 15h e das 17h às 19h, na arena multiuso de manhã e a tarde, segunda, das 10h às 11h e das 16h às 17h30, no Centro de Esporte e Cultura, das 10h às 11h30 e das 14h às 15h30, e no CIE Monte Alegre, das 10h às 11h e das 17h às 18h30.

     As turmas são mistas, definidas de acordo com idade e procura. Para se inscrever é preciso comparecer no núcleo de segunda a sexta-feira, das 8h às 18h, e apresentar os seguintes documentos: atestado médico (original), cópia do RG e do comprovante de residência. Os interessados com menos de 18 anos precisam apresentar o formulário de inscrição preenchido pelos pais ou responsável legal.

 

FOTO 02 - Taboanenses conquistam medalha de ouro no Arnold Classic South American - CREDITO Rodrigo Dod -  Savaget

 

Centro de Cultura e Esporte no Jd. Comunitário é inaugurado pelo prefeito Fernando Fernandes

Por Ricardo Lima

     Com uma apresentação de capoeira ministrada pelo professor Kiko e apresentações de dança de rua, hip hop e de dança espanhola, comandadas pelos professores Diogo Henrique, Fabíola Silva e Rosangela Jorge, da Escola de Bailado, a Prefeitura de Taboão da Serra inaugurou o Centro de Cultura e Esporte. Trazendo a mais um bairro de Taboão da Serra um espaço multicultural e esportivo, o que amplia a inclusão social e o bem estar físico e mental.

     O espaço vai oferecer a prática de atividades esportivas e culturais gratuitamente. Além disso, terá um projeto de inclusão em parceria com as Secretarias de Esporte e de Cultura, para pessoas com deficiências visuais e auditivas, em especial os moradores atendidos pelo CIADEV (Centro de Integração e Apoio ao Deficiente Visual).

     Segundo o prefeito, Fernando Fernandes, o equipamento resgata a cidadania. “O Centro promove uma integração entre a Cultura e o Esporte para o desenvolvimento de projetos sociais para crianças, jovens e adultos”, falou. “Quando a gente inaugura um espaço e um projeto como este, vamos fortalecer a cidadania no coração dos taboanenses e, principalmente, dos moradores região”, finalizou Fernando Fernandes.

     Para a deputada estadual Analice Fernandes, que participou da inauguração, o Jardim Comunitário acaba de ganhar um espaço precioso para promover a Cultura da Paz e dar oportunidade de desenvolvimento e convivência sadia para a comunidade.

     De acordo com o secretário de Cultura e Turismo, Wanderley Bressan, o equipamento estimula as atividades artísticas e esportivas, para unir e desenvolver a comunidade.  “Quando investimos em cultura e esporte, estamos investindo em cidadania, inclusão social, disciplina e trabalho em equipe”, disse.

     No núcleo serão oferecidas 15 modalidades esportivas e culturais: zumba, futsal, vôlei, basquete, handebol, ballet, judô, capoeira, karatê, kung fu, jazz, dança contemporânea, dança de rua, dança de salão e teatro. O objetivo é ampliar o conhecimento cultural por meio da interação com a comunidade.

     Estiveram presentes a cerimonia de inauguração, o vice-prefeito Laércio Lopes, os vereadores Cido da Yafarma, Eduardo Nóbrega, Carlinhos do Leme, Alex Bodinho, Érica Franquini, Joice Silva, Rita de Cássia, Priscila Sampaio, Ronaldo Onishi e Johnatan Noventa, o secretário de Manutenção, Daniel Bogalho, a secretária de Habitação, Sandra Pereira, o secretário de Transportes, Gerson Brito, a secretária de Assistência Social, Arlete Silva, a secretária de Saúde, Raquel Zaicaner, a secretária de Desenvolvimento, Laura Neves, o secretário de Governo, Olívio Nóbrega, o secretário de Fazenda, Adelço Bührer, o secretário de Educação, Prof. João Medeiros e o secretário de Obras, Rogério Balzano.

O local

     O local conta com uma sala de ballet para atividades de dança, sala multiuso, para a utilização de palestras e oficinas, pátio para apresentações, exibições e exposições, playground com área coberta e equipamento infantil (gangorra, escorregador, carrossel e gaiola labirinto) com piso emborrachado, quadra poliesportiva coberta, sala da administração, sanitário e banheiro acessível em todos os andares.

     O valor total da obra foi de R$ 1.336.121,01, a construção foi feita em parceria com o Governo Federal, que investiu R$ 1.188.338,41. A prefeitura, em contrapartida, investiu R$ 147.782,60, além da disponibilização do terreno.

     O espaço conta com 931,50m², de Área de Preservação Permanente (APP) no fundo do terreno, para a plantação de 71 espécies de árvores nativas e frutíferas, para a preservação de recurso hídrico, a paisagem, proteção do solo e bem-estar da população.

SERVIÇO

      Para se inscrever é preciso comparecer no núcleo de segunda a sexta-feira, das 8h às 18h, a partir do dia 14 de abril, e apresentar os seguintes documentos: foto 3X4, atestado médico (original), cópia do RG e do comprovante de residência. Os interessados com menos de 18 anos precisam apresentar o formulário de inscrição preenchido pelos pais ou responsável legal.


Centro de Cultura e Esporte

Rua Fernando Pessoa, 580, Jardim Comunitário

Mais informações: 4788-3888

 

 

Centro de Cultura e Esporte no Jd. Comunitário é inaugurado pelo prefeito Fernando Fernandes Radio ESPORTESNET 2019

 

 

 

O pequeno Derby

Por Carolina Martins

 

     Se me perguntarem mil vezes se foi algo difente, direi convictamente que não. Me senti no Pacaembu, em um jogo típico. Um estádio pequeno com capacidade para 36.743 pessoas. Dois times normais com garra e sede de liderança, como vemos no Palmeiras, São Paulo ou Corinthians, por exemplo. Só que menores. Eu chamaria de derby campineiro. 

     É com certeza um ovo de cidade para uma paulistana, sem o padrão de estádio europeu que tanto ouvimos falar no Brasil e queremos ver quando saímos do país. Mas então, por quê escrever sobre esse tal derby entre Genoa e Sampdoria? 

     Após a triste derrota pela 31° rodada do campeonato italiano contra Roma, os sampdorianos que tanta esperança tinham na Liga Europa foram colocados na nona posição no campeonato, o que os deixou preocupados. Quanto a Genoa, na luta para não ir para a série B. Uma só casa para dois “grandes” times: eles chamam de derby. Genoenses com sede de vitória, sampdorianos com garra para continuar na linhagem de seis derbys consecutivos sem perder. São gritos de emoção e não importa a idade: crianças, jovens, senhores e senhoras, todos juntos vestindo a camisa do time. 

     A situação num todo è uma delicía de se vivenciar. Logo cedo pessoas estão nas ruas com suas camisas, se reunem em padarias, bares, mercados, casa de amigos ou qualquer lugar que possa se gritar com os amigos “Forza Genoa ou Sampdoria”. A cidade è tomada pelo derby. Nunca vi nada igual. Parece dia das mães, dos pais, feriado, não sei. De longe se vê o trânsito que no dia a dia não existe na região de Liguria. È mágico! 

     Quando entra, só animação. Torcedores felizes, cerveja na mão e impossível ouvir a torcida adversária. Não se tem um segundo sequer de silêncio. Até mesmo após o primeiro gol sampdoriano feito por Defrel, a torcida Genoa não desistia. E na saída, a cidade das motos è tomada por filas de trânsito e businas de vitória. Não tão agradáveis para os genoenes. Mi dispiace. 

     Entre um “cazzo” de lá e “vai a fanculo” de cá (melhor não trabalharmos com tradução), senti um ambiente respeitoso entre as torcidas. Tochas, bandeiras, camisetas, blusas, gorros, cachecol e muitos sem voz ao fim do jogo da vitória sampdoriana, foi lindo de se ver. Aliás, tinha que ser, gastei vinte e cinco euros só para sentir essa tal emoção. Obrigada, Stadio Luigi Ferraris. Até a próxima.

      Ou não!

 

Genoa X SAmpdoria Futebol Italiano ESPORTESNET  2019 002