Uma das grandes histórias do futebol dos vizinhos hermanos

Se a cidade de Avellaneda é mundialmente conhecida pela próxima – e explosiva – rivalidade entre Independiente e Racing Club, separados por cerca de 300 metros no mesmo quarteirão, dinâmica semelhante existe na rivalidade entre os dois maiores clubes da cidade de La Plata, Estudiantes e Gimnasia, separados por cerca de 950 metros. Entra na história o maior parque da cidade, o Paseo del Bosque.

Fundado 5 meses antes da criação oficial da própria cidade de La Plata em 1882, o parque possui diversas atrações e instituições importantes da cidade em seu terreno – por exemplo, o Museo de La Plata, parte da Universidade Nacional da cidade. E, ainda que fundado depois do rival, o Estudiantes chegou lá primeiro: nascido em 1905 por estudantes universitários que eram sócios do Gimnasia e estavam aborrecidos pelo clube, então aristocrata, ter encerrado suas atividades no futebol, o Pincharrata se acomodaria onde era o velódromo do parque, logo ao lado do Museu Nacional dois anos depois, em 1907.

Cancha do Estudiantes, ainda na década de 1910. Clube mantém a mesma localidade até os dias atuais, dentro do Paseo del Bosque

O estádio, com diversas reformas, seria utilizado até 2005, ganhando fama de um verdadeiro alçapão hostil, muito pelo estilo de jogo do Pincha nas conquistas de Libertadores e Mundial ali, nos anos 1960 e 70. Em 2007, a demolição completa foi realizada para a construção do novo Estádio Jorge Luis Hirschi, inaugurado apenas em 2019 por diversas desavenças entre o projeto e as licenças governamentais – justamente a gestão da cidade era quem havia entregue o espaço no Bosque para o Estudiantes lá em 1907.

Reaberto em 2019 após 14 anos, o estádio, batizado em homenagem a Jorge Luis Hirschi, importante dirigente da história Pincharrata, é agora um dos mais modernos da América do Sul

Já a cancha do Lobo, o estádio Juan Carmelo Zerillo, conhecido popularmente como El Bosque pelas árvores do próprio bosque em volta das arquibancadas seria inaugurado apenas em 1924 – 10 anos após a volta do Gimnasia ao futebol após fusão com o Club Independencia, que desde 1912 contava com jogadores do próprio Estudiantes que estavam insatisfeitos com o clube – ironicamente, o Pincha nasceria do Lobo e teria papel direto na volta do Lobo ao futebol. El Bosque, desde então teve nas arquibancadas de madeira sua característica principal, ainda que existam os planos de modernização de todo o estádio, iniciados entre 2006 e 2008. 

Com as tribunas principais (no centro do estádio) reformadas, Gimnasia deu início ao plano de modernização do estádio Juan Carmelo Zerillo

Nos períodos em que os estádios estão indisponíveis, é comum o uso dos rivais da cancha “neutra” da cidade, o Ciudad de La Plata, construído em 2003 e reformado para a Copa América de 2011, distante cerca de 5km do Paseo del Bosque. Outra opção é o estádio do Quilmes Atlético Clube, da cidade homônima 40km distante de La Plata. Seja como for, uma rivalidade próxima como nenhuma outra no mundo do futebol. Seja na história, seja na geografia.

Dentro do Paseo del Bosque, os dois estádios são separados por pouco mais de 900 metros. Proximidade que alimenta ainda mais a rivalidade do Clásico Platense

Deixe seu comentário

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.