Grêmio x Flamengo: análise da semifinal brasileira na Libertadores

Grêmio x Flamengo: análise da semifinal brasileira na Libertadores

29/08/2019 0 Por ESPORTESNET

A edição 2019 da Taça Libertadores da América tem sido emocionante para os brasileiros. As quartas de final reservaram nada menos que dois duelos entre clubes nacionais.

Com o avanço de Grêmio e Flamengo para a semifinal, a única certeza é de que teremos um representante brasileiro na final e, que pelo menos o vice está garantido.

A primeira partida do confronto será apenas no dia 02/10, mas até lá confira uma análise das duas equipes e o que esperar dessa decisão.

Retrospecto recente:

Há dois anos atrás, o Grêmio sagrava-se campeão da América pela terceira vez. Já na temporada passada, bateu na trave quando foi eliminado pelo River Plate na semifinal.

Famoso pelo estilo ”copeiro”, o Tricolor tem verdadeira obsessão pela Libertadores e conhece a forma de jogar o torneio continental como ninguém. Além disso, também conta a favor o tempo de trabalho do treinador a frente da equipe. Já são três anos sendo comandado por Renato Portaluppi.

O mesmo não se pode dizer sobre Jorge Jesus. Com pouco mais de dois meses no cargo, o português jamais havia comandado uma equipe na América do Sul. E como desvantagem, já chegou ao clube no meio da competição em plena fase mata-mata. Mas o ‘novato’ tem surpreendido muita gente.

Em pouco tempo o Flamengo se transformou no melhor ataque do futebol brasileiro e é forte candidato ao título do Brasileirão. Pelas mãos de Jesus, voltou a semifinal da Libertadores após longos 35 anos.

Grêmio: um rival indigesto para o Flamengo

Em Porto Alegre, palco do jogo de ida, o time gaúcho tem superioridade em número de vitórias. Tudo isso levando em consideração não apenas a Libertadores, mas todos os demais campeonatos.

São 22 vitórias gremistas contra apenas quatro do rubro-negro, e 16 empates.

Na Libertadores de 1984, também em uma semifinal, o Grêmio acabou eliminando o Flamengo.

Coincidência ou não, o Flamengo só voltaria a disputar um semifinal depois de 35 anos e, novamente contra o Grêmio.

Estilo de jogo

São dois times ofensivos, que buscam o jogo e adoram ter posse de bola. Cada vez mais raro no Brasil, esse jeito de jogar costuma empolgar e promete ser o diferencial das duas partidas, de ida e volta.

Por ter características em comum, torna-se mais difícil apontar um favorito. O jeito será esperar até outubro para descobrirmos quem será o representante do Brasil na grande final, em Santiago, no dia 23 de novembro.

Foto da capa: Google