CONMEBOL define a próxima fase das competições sul-americanas e as disputas prometem muito

Nesta terça (1), a Conmebol sorteou, em sua sede em Luque, no Paraguai, os confrontos do mata mata na Libertadores e na Copa Sulamericana.

Com nove brasileiros envolvidos, os confrontos inspiram enorme expectativa e já ajudam a traçar os caminhos para os dois principais troféus da América do Sul.

LIBERTADORES: REENCONTROS E PROMESSA DE CLÁSSICOS

Na Libertadores, uma série de reencontros marcados e possíveis clássicos nas fases seguintes marcaram o sorteio. Logo de cara, o Flamengo encara o Defensa y Justicia e terá, outra vez, o técnico argentino Sebastian Becaccece pela frente nas oitavas.

Becaccece, auxiliar técnico de Sampaoli na Copa do Mundo de 2018, e campeão da Recopa com o próprio Defensa, sobre o Palmeiras em Abril, era o técnico do Racing Club nas oitavas de 2020 da Copa, quando La Academia derrubou o Mengão nos pênaltis, em pleno Maracanã.

Já o Racing é outro reencontro para um brasileiro no sorteio: o São Paulo, recém campeão paulista. A dupla dividiu o grupo E da fase anterior, com um empate por 0x0 em Avellaneda e uma vitória argentina por 1×0 no Morumbi – a primeira de qualquer clube do país dentro do estádio paulistano na história. Os resultados renderam a liderança para o Racing, que significam o jogo de volta em El Cilindro. Mas vale lembrar, que em ambas as partidas da fase de grupos, Hernán Crespo não chegou a usar força máxima.

Possível adversário do Flamengo nas quartas – um duelo que aconteceu nas quartas da Copa em 2019 – o Internacional também tem um velho conhecido pela frente nas oitavas: o tricampeão Olímpia de Assunción, que fora vencido pelo colorado nas duas partidas pelo grupo B (uma delas por 6×1, em Porto Alegre), e só se classificou na rodada derradeira com uma goleada apoteótica e agonizante sobre o Deportivo Táchira.

Já os clássicos se desenham para as quartas e semifinais: o Palmeiras, atual campeão, encara nas oitavas a Universidad Católica, que apesar do conjunto promissor ainda se reconstrói sob a gestão do uruguaio Gustavo Poyet, ex-AEK, Bétis e Bordeaux.

Se passar dos cruzados, o verdão vai encarar justamente o vencedor de São Paulo x Racing – o que abre possibilidade para uma reedição do Choque-Rei, que decidiu à menos de um mês o campeonato paulista, e também as oitavas de final da Libertadores em 1994, 2005 e 2006.

Neste mesmo lado da chave, o Atlético Mineiro mede forças contra o sempre temido Boca Juniors – ainda que bem desgastado com Miguel Angel Russo – e tenta evitar um possível Superclásico Argentino nas quartas, uma vez que o eterno rival boquense, River Plate, estará no caminho de Galo ou Xeneize caso passe nas oitavas do compatriota Argentinos Juniors, do excelente trabalho de Gabriel Milito – o último encontro dos dois, na reabertura do Monumental de Núñez em março terminou com vitória do Bicho Colorado por 1 X 0, inclusive.

Por fim, o último clássico local que gera expectativas de acontecer nesta copa é o mais longínquo: se avançarem por oitavas e quartas, Flamengo e Fluminense poderão medir forças por uma vaga na decisão em Montevideo.

O tricolor carioca, para isso, enfrentará nas oitavas o Cerro Porteño – para quem jamais perdeu na história até hoje – e, se avançar, o vencedor no equilibrado duelo de Vélez Sarsfield e Barcelona nas quartas – os amarillos lideraram uma chave complicada com Boca, Santos e a altitude de La Paz, e contam com um time muito organizado, liderado por Damián “Kitu” Díaz.

Já o Vélez tem jovens e promissores nomes sob o comando de Maurício Pellegrino, como Orellano, Janson, Bouzat e Almada, deu enorme trabalho ao Flamengo e despachou a também equatoriana LDU para chegar ao mata mata.

OS CONFRONTOS NA ÍNTEGRA
Lado A da Chave:

  • Defensa y Justicia x Flamengo (volta no Rio de Janeiro)
  • Olímpia x Internacional (Volta em Porto Alegre)
  • Vélez Sarsfield x Barcelona (Volta em Guayaquil)
  • Cerro Porteño x Fluminense (Volta no Rio de Janeiro)

Lado B da Chave:

  • River Plate x Argentinos Jrs (Volta em La Paternal/Buenos Aires)
  • Boca Juniors x Atlético MG (Volta em Belo Horizonte)
  • São Paulo x Racing Club (Volta em Avellaneda)
  • Universidad Católica x Palmeiras (Volta em São Paulo)
Esquematização do mata-mata da Libertadores 2021

SULAMERICANA: DUELOS DIGNOS DE LIBERTA E UM MATA MATA EQUILIBRADO

Fosse em outros carnavais, o sorteio das oitavas da Copa Sul-americana seria tranquilamente um de mata mata da Libertadores. São pelo menos quatro duelos de enorme magnitude, e uma distribuição muito interessante pela chave, o que dificulta mesmo uma previsão de qual será a final.

Começando pelos brasileiros, quem saiu “ileso” foi o Athletico PR, que encara nas oitavas o América de Cali – a equipe colombiana pouco mostrou para avançar no mata mata da Libertadores e não deverá impor tanta dificuldade ao furacão.

Do lado, porém, confronto duríssimo: o Grêmio de Tiago Nunes, time de melhor campanha e turbinado por Douglas Costas terá logo de cara um desafio a altura de seu favoritismo: a LDU de Quito, dos sempre dificeis 2.600 metros de altura da capital equatoriana, e que em suas duas últimas visitas ao Brasil pela Libertadores, não perdeu: vitória sobre o Santos na Vila Belmiro e empate contra o Flamengo no Maracanã. A Liga possui, no currículo, o título de 2009 do torneio.

Outro que terá de “subir a montanha” é o Red Bull Bragantino, que fará, diria o outro, o “clássico das bebidas”: duelo interessante contra o também emergente Independiente Del Valle, campeão da sula em 2019, que despontou nos últimos seis anos com um dos projetos mais sólidos do continente.

Quem avançar, terá pela frente o vencedor de Deportivo Táchira, que bateu na trave em avançar para o mata mata na Libertadores, e Rosário Central, que evolui a cada dia sob comando do ex-jogador e ídolo da equipe Kily González.

O último brasileiro, Santos, também não fugiu de uma parada dura: ninguém menos que o Rey de Copas, Independiente, de Júlio Cesar Falcioni e do matador e ídolo Sílvio Romero, que liderou sua chave com Bahia e Montevideo City na fase inicial da Sula.

O Rojo, além dos já conhecidos 7 títulos de Libertadores e 2 mundiais, tem um bicampeonato na Sula para ostentar em sua sala de troféus. Outros destaques individuais do atual elenco incluem Andrés Roa, Pablo Hernández, Fabrício Bustos e o ex-Cruzeiro Lucas Romero.

E para encerrar, o confronto mais titânico desta terça-feira: quase 100 títulos nacionais, oito Libertadores seis Mundiais de clubes e uma rivalidade centenária como poucas existentes em todo o planeta.

O Superclássico Uruguayo, o maior confronto das terras charrúas, o jogo de futebol mais emblemático do país de 3 milhões de habitantes entre Peñarol e Nacional será um dos maiores destaques da Copa.

O vencedor da batalha terá pela frente, ou o Sporting Cristal, tão prolífico quanto azarado do ótimo Roberto Mosquera, ou o Arsenal de Sarandí que despachou o Ceará na primeira fase.

O Superclásico representa, ainda, um toque irônico do destino, já que tanto a final da Libertadores quanto a da Sul-americana serão no estádio Centenário de Montevidéu, palco da primeira de todas as finais da Copa do Mundo, e da própria Libertadores. Caprichos que nos fazem ansiar por julho.

OS CONFRONTOS NA ÍNTEGRA
Lado A da Chave:

  • Nacional x Peñarol (volta no Campeón del Siglio/Montevideo)
  • Sporting Cristal x Arsenal (Volta em Sarandí)
  • LDU x Grêmio (Volta em Porto Alegre)
  • América de Cali x Athletico PR (Volta em Curitiba)

Lado B da Chave:

  • Independiente del Valle x Red Bull Bragantino (Volta em Bragança Paulista)
  • Deportivo Táchira x Rosário Central (Volta em Rosário)
  • Junior Barranquilla x Libertad (Volta em Assunção)
  • Santos x Independiente (Volta em Avellaneda)
Esquematização do mata-mata da Sulamericana 2021

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.