A+ R A-

Depois das semi, Audax X Santos fazem a final

geovaniodosantos lucasbaptistafuturapress 15

 

     O Audax continua fazendo história no Paulistão Itaipava de 2016. O time de Osasco não se intimidou com a Arena Corinthians com mais de 41 mil torcedores, na noite deste sábado, e venceu o Corinthians por 4 a 1 nos pênaltis. No tempo normal, os dois times fizeram um jogo de alto nível, que terminou empatado por 2 a 2.

     Esta será a primeira vez na história que o Audax, com apenas nove anos de existência, chega à decisão do Paulistão. O time, que já havia eliminado o São Paulo, fica no aguardo sobre quem será seu adversário, que sairá do duelo entre Santos e Palmeiras, neste domingo, às 16h, na Vila Belmiro. As finais acontecerão nos próximos dois domingos.

     Por outro lado, o Corinthians ver aumentar a pressão pela conquista da Libertadores, onde encara o Nacional-URU nas quartas de final. Este foi o quarto mata-mata consecutivo que o time paulistano é eliminado em casa. Já fora assim no Paulistão de 2015, quando caiu diante do Palmeiras; na Libertadores de 2015 contra o Guarani-PAR; e na Copa do Brasil do mesmo ano com o Santos. Será também o terceiro ano seguido que os corintianos caem na semifinal do Estadual.

     O início da partida teve um desenho muito próximo daquilo que era previsto. O Corinthians entrou em campo com uma marcação agressiva, pressionando a saída de bola no campo de ataque. O Audax sentiu grandes dificuldades para impor sua tradicional troca de passes.

     Aos sete minutos, os donos da casa tiveram uma chance de ouro de marcar. O goleiro Sidão tentou sair jogando e foi desarmado pelo atacante André. Ele rolou para o meia Alan Mineiro, que ficou na cara do gol, com apenas um zagueiro à sua frente. Em vez de bater de primeira, o jogador tentou dominar, perdeu tempo e chutou em cima de um adversário.

     Após sentir a pressão no início, o clube de Osasco conseguiu entrar nos eixos conforme o tempo passou. A defesa alta armada pelo técnico Tite favoreceu as jogadas nas costas dos zagueiros. Com o jogo mais equilibrado, as chances passaram a ser mais raras.

     Os visitantes conseguiram chegar ao gol de maneira surpreendente, aos 25 minutos do primeiro tempo. O atacante Bruno Paulo avançou em diagonal, pelo lado esquerdo e bateu colocado de fora da área. A bola pegou um efeito e entrou no ângulo esquerdo do goleiro Cássio.

     A estratégia de Tite em entrar com Alan Mineiro aberto na direita, na vaga de Giovanni Augusto, não foi bem sucedida. tanto que o treinador mudou no intervalo. Ele sacou Alan Mineiro e Guilherme, que também estava apagado, e colocou Romero e Rodriguinho.

     A mudança surtiu efeito logo nos primeiros minutos. O time alvinegro pressionou a saída de bola adversária e passou a forçar erros dos zagueiros. Após perder chance incrível, aos dois minutos, o atacante André marcou. O volante Bruno Henrique cruzou da direita e o camisa 9, sozinho na área, cabeceou no canto esquerdo do goleiro.

     Depois do gol, o Auda conseguiu crescer e aos 25 minutos, mesmo minuto do primeiro gol, chegou ao segundo. O meia Tchê Tchê, em lance muito parecido com o gol de Bruno Paulo, bateu colocado de fora da área e mandou no canto direito de Cássio. Um golaço.

     O time mandante, porém, não se abateu e nem se entregou. Romero entrou bem explorando o lado direito e fez uma grande jogada para o gol de empate. Ele girou sobre o marcador e disparou em velocidade. Na linha de fundo, cruzou rasteiro e André, quase dentro do gol, estufou as redes.

     Nos minutos finais o jogo foi dramático. Os dois times tiveram boas chances no ataque, mas não conseguiram chegar ao gol. O Audax manteve seu modelo de jogo, encarou o Corinthians de igual para igual e poderia ter saído com a vaga ainda no tempo normal.

     Nos pênaltis, o Audax mostrou uma grande eficiência e converteu as quatro cobranças com Velicka, Tchê Tchê, Ytalo e Camacho. Em compensação, o Corinthians marcou apenas com André. Fágner e Rodriguinho despediçaram.

 

 

FICHA TÉCNICA

Corinthians 2 (1) x 2 (4) Audax

Corinthians: Cássio; Fágner, Felipe, Yago (Luciano) e Uendel;

Bruno Henrique, Alan Mineiro (Romero), Elias, Guilherme (Rodriguinho) e Lucca; André.

Técnico: Tite.

Audax: Sidão; Yuri (Felipe Diadema), André Castro (Bruno Lima), Bruno Silva e Velicka; Tchê Tchê, Camacho e Juninho (Wellington); Mike, Bruno Paulo e Ytalo.

Técnico: Fernando Diniz.

Gols: André aos 6 minutos e aos 33 minutos do segundo tempo (Corinthians); Bruno Paulo aos 25 minutos do primeiro tempo e Tchê Tchê aos 25 minutos do segundo tempo (Audax).

Cartões amarelos: Bruno Henrique e Elias para o Corinthians; Sidão e Yuri para o Audax

Árbitro: Thiago Duarte Peixoto

Assistentes: Rogério Pablos Zanardo e Daniel Paulo Ziolli

Local: Arena Corinthians, em São Paulo (SP)

Data: Sábado, dia 23, às 18h30

 

Santos vence Palmeiras nos penais

 

      Foi eletrizante, assim como a classificação do Audax, no sábado (23). O Santos superou o Palmeiras também nos pênaltis, por 3 a 2, e confirmou a hegemonia nos últimos anos no estadual. Na tarde deste domingo (24), na Vila Belmiro. O time santista chegou a abrir 2 a 0 com gols de Gabriel, mas sofreu o empate no final com gols de Rafael Marques. Nas penalidades, os donos da casa foram mais eficientes e estão na final do Paulistão Itaipava.

     Esta é a oitava final consecutiva que o Santos chega no Paulistão. Nas sete edições anteriores, o time conseguiu vencer quatro, sendo a última sobre o próprio Palmeiras. O time terá pela frente o Audax, que surpreendeu o Corinthians, neste sábado, ao vencer por 4 a 1 nos pênaltis, após empate por 2 a 2 no tempo normal na Arena Corinthians. As finais serão disputadas nos próximos domingos (1º e 8 de maio), às 16h. Os locais serão definidos nesta segunda-feira pela Federação Paulista de Futebol (FPF).

     Em compensação, o Palmeiras amarga a segunda eliminação em menos de duas semanas, já que caiu na primeira fase na Libertadores. Agora, o time paulistano terá cerca de 20 dias para se preparar para a estreia do Campeonato Brasileiro. O primeiro jogo acontecerá nos dias 14 ou 15 de maio contra o Atlético (PR), em São Paulo.

     Desde os primeiros minutos, o Santos mostrou porque ostenta uma longa invencibilidade na Vila Belmiro. Com muita propriedade, o time alvinegro assumiu as rédeas da partida e acuou o Palmeiras. Aos nove minutos, saiu a primeira grande oportunidade para os donos da casa. O meia Lucas Lima cobrou falta pela direita, a bola passou por todo mundo e explodiu no peito do goleiro Fernando Prass.

      A primeira finalização a gol dos palmeirenses aconteceu somente aos 34 minutos. E o lance só foi possível depois de uma jogada individual do meia Roger Guedes. Ele passou pelo volante Thiago Maia e pelo zagueiro Gustavo Henrique, mas concluiu em cima do goleiro Vanderlei, que espalmou por cima do gol.

     Quando o time paulistano parecia começar a crescer no jogo, os santistas conseguiram balançar as redes. Lucas Lima deu ótima enfiada de bola para o atacante Gabriel. O camisa 10 invadiu a área, fintou o lateral Egídio, deixou o zagueiro Vítor Hugo no chão e bateu no canto direito de Fernando Prass.

     Precisando buscar, no mínimo um empate, o Palmeiras se viu obrigado a arriscar-se mais ao ataque. Apesar deste cenário mais propício para novos gols, a partida teve ainda menos oportunidades claras. Sobretudo, porque o Santos não parecia muito afoito a liquidar o jogo. Esperava o momento certo para sacramentar a classificação.

     Neste meio tempo, o clube visitante seguiu apresentando enormes dificuldades no setor de criação, onde Robinho e Roger Guedes não conseguiram abastecer Gabriel Jesus e Alecssandro. Uma das raras chegadas alviverdes saíram aos 16. Gabriel Jesus roubou a bola do zagueiro David Braz, invadiu a área e bateu por cima do gol. Uma chance incrível desperdiçada.

     O lance perdido foi emblemático para a atuação palmeirense. Aos 28 minutos, Gabriel, o santista, mostrou-se mais preparado que o rival. Após receber cruzamento do lateral Zeca, o camisa 10 foi frio para superar Fernando Prass.

     O segundo gol de Gabriel parecia ter liquidado o jogo. O problema é que Rafael Marques, que entrara na vaga de Gabriel Jesus, recolocou o Palmeiras no jogo de forma histórica. Ele marcou dois gols aos 42 e aos 43. No primeiro, ele recebeu na área e bateu na saída do goleiro. No segundo, desviou cruzamento de cabeça.

    Na cobrança de pênaltis, o Santos foi mais eficiente, convertendo três de quatro cobranças com David Braz, Zeca e Victor Ferraz. Lucas Lima teve cobrança defendida por Fernando Prass. No Palmeiras, Cleiton Xavier e Jean marcaram. Vamderlei defendeu as penalidades de Lucas Barrios e Rafael Marques, enquanto Fernando Prass chutou para fora.

 

 

FICHA TÉCNICA

Santos 2 (3) x (2) 2 Palmeiras

Santos: Vanderlei; Victor Ferraz, David Braz, Gustavo Henrique e Zeca; Thiago Maia (Léo Cittadini), Renato, Lucas Lima e Vitor Bueno (Paulinho); Gabriel (Alison) e Ricardo Oliveira.

Técnico: Dorival Júnior.

Palmeiras: Fernando Prass; Jean, Thiago Martins, Vitor Hugo e Egídio; Gabriel, Matheus Sales, Roger Guedes e Robinho (Cleiton Xavier); Gabriel Jesus (Lucas Barrios) e Alecsandro (Rafael Marques).

Técnico: Cuca.

Gols: Gabriel aos 39 minutos do primeiro tempo e aos 29 minutos do segundo tempo (Santos). Rafael Marques aos 42 e aos 43 minutos do segundo tempo.

Cartões amarelos: Elano e Gabriel para o Santos; Alecsandro, Egídio, Gabriel, Matheus Sales, Thiago Martins e Vagner para o Palmeiras.

Árbitro: Marcelo Aparecido Ribeiro de Souza

Assistentes: Anderson Jose de Moraes Coelho e Alex Ang Ribeiro

Local: Vila Belmiro, em Santos (SP)

Data: Domingo, dia 24, às 16h

 

 

 

Fonte: FPF